IBERBONSAI.pt ::
ContactosContactos
CarrinhoQtd:
0
Total:
€ 0,00
Entrar no Carrinho
Carrinho de Compras
0
Carrinho Carrinho de Compras

 

 

 

Home

PESQUISA AVANÇADA
Icon

ÁREA DE CLIENTE

963 907 899

SAIBA MAIS
Icon

NOVIDADES

Conheça as nossas novidades

Icon NEWSLETTER
Transplante de mudas de bonsai

Transplante de mudas de bonsai

 

Os diferentes métodos de propagação, tais como a sementeira e a estaquia, que são frequentemente utilizados para reproduzir a maioria das espécies de bonsai, levam a um tratamento diferente quando se trata de transplante.

Transplante de mudas e transplante do bonsai.

Antes de mais, vamos explicar qual é a técnica de sementeira e estaquia num viveiro.

 

Aquilo que chamamos de viveiro é um terreno que ocupa um espaço muito pequeno, alguns metros quadrados por exemplo, composto por uma mistura de substrato muito fino e areia lavada que também é muito fina e mais importante ainda, tudo se passa numa atmosfera controlada.

 

O princípio é o de uma sementeira densa numa superfície muito reduzida, tornando assim possível estar muito atento a doenças e pragas como caracóis e lesmas. Para a maioria dos bonsais, a sementeira deve ser controlada, ou seja, devemos ser capazes de manter a temperatura a mais ou menos catorze graus durante a noite e vinte e quatro graus durante o dia, o que nos obriga a proteger o pedaço de terra onde vamos semear as plântulas, com vidro ou plástico de estufa.

 

Ler artigo sobre a sementeira do bonsai.

 

Na maioria das vezes a sementeira é feita à mão, sem fazer um buraco de antemão, de modo que mais tarde teremos de remover as plântulas mais fortes para dar lugar às outras.

 

O mesmo é válido para as estacas onde, na maioria dos casos, são criadas em caixas onde as estacas são alinhadas umas contra as outras até se enraizarem.

A estaca também requer protecção, com uma cobertura de vidro ou plástico para proteger do frio e da chuva, devemos ser absolutamente capazes de controlar o nível de humidade, este é o factor mais importante para o sucesso e desenvolvimento das futuras raízes das estacas. Recomeanda-se a rega tipo nevoeiro, uma vez que demasiada água causará apodrecimento e água insuficiente provocará a seca e a morte da estaca. Por conseguinte, é primordial manter um certo nível de humidade no ambiente, tendo em conta que esta deve ser monitorizada em qualquer altura.

 

Assim, chamamos transplante de mudas o facto de remover as plantas novas mais avançadas do seu ambiente, de modo a deixar espaço para que as outras continuem a desenvolver-se. Esta operação é realizada quando as jovens plântulas têm algumas folhas e consiste em remover delicadamente cada plântula, uma a uma, utilizando um pequeno pedaço de madeira, tal como um lápis, que é empurrado para o solo debaixo da plântula, a fim de a remover do substrato, evitando ao máximo quebrar as frágeis e ainda tenras raízes.

Levantamo-lo cuidadosamente enquanto a seguramos por um ou mais cotilédones, que são as duas primeiras folhas que emergem da semente, mas nunca pelo caule, que é demasiado frágil.

 

Sem perda de tempo devemos transplantá-los e colocá-los num novo substrato. Formamos um buraco no novo substrato com o nosso dedo ou uma pequena vara, colocamos a plântula no mesmo e colocamos suavemente a terra à volta das raízes, tendo o cuidado de cobrir bem as raízes com substrato. O substrato utilizado deve ser suficientemente fino, de boa qualidade e não conter quaisquer elementos de granulação grosseira para facilitar o contacto com as raízes. Nesta fase, o stress é imenso e é aconselhável ser o mais rápido possível entre o momento em que a jovem muda é arrancada e o momento em que é reintroduzida no solo. Alguns rebentos jovens podem mesmo morrer em resultado do desenraizamento, o que pode causar a fractura das raízes, uma vez que a plântula é tão jovem que não pode suportar esta mudança súbita, pelo que qualquer precaução é absolutamente importante.

 

Qual é a vantagem de um transplante de muda?

 

Quando as plântulas estão apinhadas após a sementeira ou a estaquia, têm de lutar entre si por alimentos tais como água e nutrientes. Cada um deles procura luz e quanto mais se encontram apinhados, mais se estenderão na esperança de se erguerem acima dos outros para captar o máximo de luz possível. As plântulas mais fracas tornam-se vulneráveis a doenças e fungos, que podem contaminar o resto da sementeira ou das estacas, com resultados negativos.

 

A mudança das jovens plântulas para um novo meio de crescimento permitir-lhes-à continuar a crescer nas melhores condições. Em princípio, transplantamos primeiro em tabuleiros térmicos com dezenos de orifícios com mais ou menos cinco centímetros, o que é um método mais rápido e mais económico do que a utilização de vasos individuais.

Mais tarde, vamos voltar a colocá-los em vasos de plástico individuais ligeiramente maiores, com mais ou menos sete a nove centímetros.

O transplante de mudas é feito todos os anos na Primavera para plantas jovens a partir de sementes ou estacas, utilizando um substrato baseado em turfa e folhas em decomposição. O objectivo, para além de revigorar o substrato, é dar força às raízes, cortando-as ligeiramente para que criem novas e finas raízes tão próximas quanto possível do tronco principal.

 

Este é também o momento de cortar a raiz axial o mais curto possível para induzir raízes radias novas e mais finas.

É assim que começa a criação do Nebari.

Ler artigo sobre o nebari do bonsai.

 

Após o transplante, é necessário regar copiosamente o solo e humedecê-lo completamente, mas sem saturar o substrato com água, uma vez que as novas raízes ainda não estão presas ao substrato e poderiam facilmente ser asfixiadas.

É igualmente aconselhável colocar as plantas recém transplantadas numa zona sombreada para evitar o stress hídrico, mesmo antes de terem tido tempo de enraizar.

O sucesso desta operação depende sobretudo da qualidade do substrato em que cultivamos as jovens plantas de sementeira ou estacas e a maneira como removemos as plântulas sem causar danos às raízes jovens utilizando um pequeno pedaço de madeira ou um lápis, mas se o substrato não for adequado o resultado será a fractura das raízes causando a morte das plantas jovens.

 

Para tal, precisamos de utilizar um substrato contendo areia fina lavada misturada com turfa fina, è a areia fina que ajudará a remover as plântulas sem quebrar as raízes, uma vez que não se agarram aos grãos de areia, facilitando assim a sua libertação.

 

Qual é a diferença entre transplante de bonsai e transplante de mudas de bonsai?

 

O transplante de mudas é sempre feito na Primavera, quando as estacas do final do Verão anterior estão finalmente enraizadas.

 

O transplante de bonsai tem lugar no Inverno até ao início da Primavera.

Ler artigo sobre o transplante do bonsai

 

A principal diferença entre as duas técnicas é que para as plantas cultivadas a partir de sementes ou estacas, as plântulas estão em raíz nua, enquanto que no transplante do bonsai as árvores ficam sempre com pelo menos sessenta a setenta por cento das suas raízes no substrato original.

 

É por isso que o transplante de mudas é uma fase importante, em primeiro lugar para assegurar o crescimento da planta, que não pode viver para sempre num ambiente sobrelotado, e em segundo lugar para permitir o desenvolvimento de novas raízes perto do tronco, uma operação que tem lugar à medida que se realizam sucessivos transplantes.

 

 

 📆 publicado em 03-04-2022

Topo
Termos e Condições
A iberbonsai
Dicas e Conselhos
Catálogo
Siga-nos

Todos os valores incluem IVA à taxa em vigor

Copyright © IBERBONSAI.pt 2022

Desenvolvido por Optimeios

UA-144250790-1 UA-144250790-1