IBERBONSAI.pt ::
Contactos
Qtd:
0
Total:
€ 0,00
0
Carrinho de Compras

 

 

 

Home

PESQUISA AVANÇADA
iberbonsai-juniperus-chinensis-itoïgawa-


 

juniperus chinensis itoïgawa


 

É a estrela dos bonsais, muito raro porque há muito tempo que é proibido a sua recolha no meio natural e desde então a única possibilidade de obter um juniperus chinensis itoïgawa é a partir da reprodução por estaca.

 

O juniperus chinensis é originário do nordeste asiático e existem um grande número de variedades (+ de 50), híbridos, cultivares e clones

 

O juniperus chinensis itoïgawa é originário do Japão.

 

Para informação:

 

Espécie é o grupo de indivíduos com caracteres morfológicos, fisiológicos e cromossômicos semelhantes que podem se cruzar;

 

Variedade é uma população artificial, reprodutível, homogênea e estável em suas características genéticas e distinta de outras variedades;

 

Híbrido é o resultado do cruzamento de dois ou mais progenitores de diferentes origens genéticas;

 

Clone é um conjunto de indivíduos derivados do mesmo organismo e possuindo a mesma herança hereditária.


 

Na natureza o juniperus pode atingir uma altura de 20 a 25 m. Folhas pequenas que se mantém todo o ano na árvore  (agulhas nos juvenis e escamas nos adultos) o tronco tem uma coloração avermelhada que se descasca com facilidade.  A sua folhagem pode variar, sendo bastante clara quando exposto ao sol, e mais escura a meia sombra.




 

Juniperus Chinensis  “itoigawa” em bonsai.

 

Itoigawa é o nome de uma cidade no Japão, no norte da ilha de Honshu, na costa do mar do Japão na província de Niigata.

Esta variedade encontra se na natureza e no estado selvagem apenas nas encostas dos montes Myôjô e Kurohime a mais de 1000 metros de altitude.


 

 

Já não há no habitat natural. Os exemplares que podemos encontrar no mercado são originários de produtores que fazem multiplicação por estaca do Itoigawa a partir dos restos de poda.

 

A particularidade do juniperus chinensis itoigawa reside na sua folhagem muito fina com delicadas escamas de um verde suave e tolerar muito bem a poda e sucessivas “pinçagens”. É por  tudo isto a estrela dos bonsais.

 

Quando formamos um juniperus chinensis, contamos sobretudo com a pinçagem e nem todos as variedades de juniperus suportam este tipo de poda, a folhagem pode ficar densa ou por vezes até retroceder e ficar novamente com agulhas, não é o caso do juniperus chinensis itoïgawa.


 

O juniperus chinensis itoïgawa comercializado na europa provém dos viveiros japoneses que aproveitam sistematicamente os restos de poda para produzirem os bonsais que adquirimos. 

São sucessivamente transplantados em vasos de cultura e com repetidas colocações de arame para lhes dar movimento. O aspecto retorcido dos troncos não é natural, é com a aramação que se consegue o efeito torcido da planta enquanto ela ainda é fina e anos depois, as árvores estão prontas para serem exportadas para todo o mundo.

A produção de árvores jovens já com algum efeito no tronco e uma folhagem densa e muito próxima ao tronco solicita muito trabalho. Requer, entre outros, a poda várias vezes durante o ano para que a folhagem não fique demasiado comprida e permanecer compacta, assim como a colocação, remoção e nova colocação do arame várias vezes ao ano para não marcar a casca do juniperus.

 

Das diferentes técnicas de estacas de bonsai destacamos a estaca Herbácea ou “em verde”, especialmente indicada para o juniperus chinensis itoïgawa. É no fim da primavera e no máximo até ao início do verão, com a planta em crescimento vegetativo, que aproveitamos uma parte ainda “verde” ou seja não lenhosa da planta para tirar uma estaca.

É um procedimento algo complexo mas é a solução mais rápida de obter uma nova planta. Utiliza-se essencialmente nas plantas ditas “moles”, como por exemplo as pequenas plantas perenes de jardim.

Recolher a extremidade de um ramo de +/- 15 cm de comprimento com folhas, com a precaução de cortar abaixo de um nó, sítio onde nascerão as novas raízes.

A seguir retirar a maior parte das folhas deixando apenas algumas e cortadas ao meio na parte superior do ramo para reduzir a transpiração.

ler mais sobre a estaquia de bonsais

 

Transplante a cada 2 anos nas plantas jovens e 5 anos ou mais nos bonsais adultos.

Misturar Akadama Hard Quality com Kiryuzuna (50/50) no início. Saiba mais sobre Substratos.

Nos transplantes seguintes reduzir a percentagem de Akadama e aumentar a percentagem de Kiryuzuna.

 Os Exemplares mais velhos podem ser transplantados só com Kiryuzuna.

 

O Juniperus é o bonsai perfeito para efectuar Madeira Morta Jin/Shari

 

Jin é uma parte descascada do galho.

 

iberbonsai - Juniperus Chinensis nº 21338

 

 

Shari é uma parte sem casca do tronco.

 ler mais sobre o jin/shari

 

O juniperus chinensis itoïgawa é imprescindível numa colecção.


 

Particularidade do fruto do juniperus chinensis:

As bagas de zimbro, designação comum dos cones maduros de Juniperus, são utilizadas como especiaria num vasto conjunto de confecções culinárias e em bebidas alcoólicas. A sua utilização mais conhecida é como fonte primária do sabor do gin, bebida cujo nome, deriva da designação dada às plantas deste género na língua flamenga (genever). Igualmente conhecido como “pimenta do pobre”.

Termos e Condições
A iberbonsai
Dicas e Conselhos
Catálogo
Siga-nos

Todos os valores incluem IVA à taxa em vigor

Copyright © IBERBONSAI.pt 2020

Desenvolvido por Optimeios

UA-144250790-1