IBERBONSAI.pt ::
Contactos
Qtd:
0
Total:
€ 0,00
0
Carrinho de Compras

 

 

 

Home

PESQUISA AVANÇADA
iberbonsai ferramenta para bonsai

iberbonsai-tesoura-grossa-185mm-

A ferramenta para  bonsai

 

Para conseguir modelar, estilizar ou apenas manter o estilo do bonsai  é necessário  a ferramenta adequada para o efeito.

Para realizar um bom trabalho devemos utilizar a ferramenta para bonsai apropriada :

- Tesoura fina de poda, para aceder dentro da copa do bonsai ou

- Tesoura grossa para cortar ramos maiores ou cortar raízes na fase de envasamento.

- Alicate de corte côncavo para retirar gomos junto ao tronco para não crescerem mais.

- Alicate côncavo recto para disfarçar o corte nos ramos. 

- Tesoura-Pinça ou desfolhador para retirar as folhas nos bonsais como Aceres,Liquidambar       

Qualquer ferramenta para bonsai deve estar sempre limpa para não transmitir ou propagar doenças, utilizar um óleo fino para lubrificar, ajuda a manter e a prolongar a vida da ferramenta.

A poda do bonsai é uma intervenção imprescindível. Porquê podar o bonsai?

O bonsai é uma planta natural e mesmo que esteja limitado num pequeno vaso irá sempre crescer e desenvolver-se, é um fenómeno natural. A mesma planta cultivada na terra irá crescer em altura e poderá atingir um porte exceptional. 

No espírito do bonsai, temos que manter a planta numa escala reduzida para imitar um exemplar na natureza.

A poda faz parte do processo de miniaturização da planta em conjunto com o reduzido espaço deixado no vaso.

 Nota: não convém fazer a poda de manutenção dos pinus e juniperus com tesoura ou qualquer outra ferramenta, pode deixar marcas indesejáveis, é preferível efectuar a “pinçagem em verde” com os dedos, consiste em cortar os brotos com as unhas. 

Só no inverno na poda de estruturação utilizamos ferramenta como tesoura ou alicate.

 

Existem dois tipos de poda:

A poda de estruturação que consiste em definir as bases gerais do tronco e dos ramos principais, elementos decisivos para transmitir a percepção que o autor quer dar ao seu bonsai: força, elegância, ligeireza, movimento… poda que também pode ser realizada ao mesmo tempo que o transplante e assim aproveitar para conseguir o equilíbrio entre a parte aérea e a parte radicular.  

A poda de manutenção, mais leve que a poda de estruturação, que equivale em cortar os ramos novos, regra geral quando o bonsai tiver seis folhas novas deixar apenas as duas primeiras. A principal característica da poda de manutenção é de manter o aspecto visual do bonsai, conforme foi definido pela poda de estruturação.

Em Portugal a poda de estruturação realiza-se de Dezembro até fim de Fevereiro, em regra geral aproveita-se o estado de seiva descendente ou estagnante (afim de não desperdiçar a seiva). 

Nunca se deve podar uma árvore debilitada.

O ideal é efetuar a poda uma ou duas semanas após a queda das folhas.

A poda de manutenção pode ser praticada a qualquer momento do ano, consoante a espécie e as respectivas condições ambientais (interior ou exterior).

Dica: seja na poda de formação ou de manutenção, devemos sempre cortar o ramo acima de um broto que irá crescer do lado exterior da árvore e não do lado interior (em direção ao tronco principal) para evitar o cruzamento dos ramos entre eles e que prejudicaria a estética do bonsai.

A poda das raízes é também importante na fase do transplante, é graças ao corte e à respectiva redução das raízes principais que podemos conseguir o aumento do volume das raízes secundárias, mais finas. De facto o bonsai, contrariamente a uma árvore na natureza, não necessita de raízes grossas para ficar “preso” ao solo, mas sim de uma multitude de raízes secundárias para ajudar no desenvolvimento de uma ramificação mais intensa e mais fina. 

O facto de limitar o desenvolvimento de raízes principais também ajuda a favorecer o alargamento do nebari, (expressão japonesa que significa raízes rasantes).

Na natureza um dos aspetos mais bonitos de uma árvore são as raízes que transmitem a força desenvolvida para segurar a árvore ao solo. 

Chama-se nebari a base do tronco juntamente com as raízes superficiais.

O nebari consegue-se com tempo e paciência, o melhor resultado obtém-se a partir de sementeira e cultivando o bonsai sempre em vaso e quanto mais raso melhor, evitando assim que as raízes procurem descer no solo.

Para obter um bom nebari temos que realizar transplantes frequentes, cortar a raiz principal (axial), dirigir e ordenar de forma equilibrada as raízes secundárias (lenhosas), são essas que vão segurar o bonsai ao solo e as mais finas, não lenhosas, cuja missão é a absorção e o transporte dos elementos nutritivos.

As raízes lenhosas são a estrutura radicular e o alicerce do bonsai, crescem todos os anos em comprimento e diâmetro, conduzem a seiva, são o suporte das raízes finas, também acumulam reservas mas não têm micorrizas.

As raízes finas existem em grande quantidade, são muito frágeis e vivem pouco tempo, por norma só crescem em comprimento mas não em diâmetro, excepto quando se transformam em raízes lenhosas, são através delas que o bonsai consegue absorver a água e os nutrientes necessários e fundamentais. As raízes finas têm micorrizas.

As micorrizas são associações simbióticas desenvolvidas pelas raízes com alguns fungos do solo, favorecendo a absorção dos elementos nutritivos. São mais visíveis no sistema radicular dos pinus.

A ideia principal é originar o desenvolvimento de raízes cada vez mais junto do tronco principal, com o objetivo de colocá-las em forma de estrela e impedir que elas se cruzem.

Constatamos que a reacção do bonsai aos cortes é a produção de raízes secundárias, mais finas, sobretudo junto ao tronco.

Podemos cortar, moldar e direcionar as raízes mais grossas e secundárias para tentar obter um resultado satisfatório no tempo com a melhor conicidade possível da base do tronco.

Ler mais sobre nebari >

A seguir vamos distinguir os vários tipos de ferramentas para bonsai.

 

Tesoura fina para bonsai:

É a tesoura que, por causa da sua forma alongada, permite cortar os rebentos que ficam escondidos dentro dos ramos, facilitando o acesso dentro da copa do bonsai sem danificar os ramos.

 

 

Tesoura fina de pinçagem para bonsai 

É uma tesoura com formato alongado que é especialmente desenvolvida para poda de precisão, normalmente no interior da folhagem ou mesmo na pinçagem de brotos e desfolha.

 

iberbonsai-TPB-jap

 

Tesoura fina de pinçagem para brotos de bonsai: é uma tesoura de grande precisão que permite o corte limpo dos brotos que pretendemos eliminar.


Tesoura desfolhadora: 

É uma pinça utilizada na desfolha do bonsai, mais fácil de manusear que a tesoura quando praticamos a desfolha do bonsai.

 

Tesoura grossa de poda para bonsai:

É a tesoura que se adapta melhor à mão e a torna ideal para poda de ramos mais grossos  assim como de raízes, com um corte limpo e fácil.

 

Podadora Côncava para bonsai

Alicate de ponta esférica que proporciona um corte côncavo e limpo que acelera o processo de cicatrização do bonsai. 

 

Podadora côncava recta

Podadora de ponta angular desenvolvida para a retirada de galhos grossos e também utilizada na retirada de ramos situados entre as bifurcações no bonsai. Permite disfarçar o corte.

 

 

Ancinho Pinça:

Esta ferramenta é muito utilizada nos trabalhos de transplante do bonsai para desembaraçar as raízes com o seu gancho triplo. A pinça é utilizada para retirar as agulhas nos pinus e retirar os gomos indesejáveis nos ramos de bonsai. 


 

   

Ancinho espátula ou pinça espátula: também utilizada nos trabalhos de transplante do bonsai para desembaraçar as raízes com o seu gancho triplo e a espátula ajuda nos trabalhos de transplante para descolar o torrão do vaso.

 

 

   

 

O desenrolador com um ou mais dentes:

Permite desembaraçar as raízes nomeadamente dos pinus, sem partir nem ferir, antes de proceder ao transplante do bonsai.

Podadora jin/shari, racha-tronco para bonsai:

É a ferramenta que permite torcer galhos ou troncos muito grossos. Possibilita incisões longitudinais sucessivas que são feitas no ramo a ser dobrado para diminuir a resistência. 

 

Alicate ou Tenaz jin:

Ferramenta utilizada para tirar a casca dos galhos para formação de Jin. É também utilizada para a colocação do arame na aramação do bonsai.

 

 O que é o jin e shari em bonsai?  

Jin é uma parte descascada do galho.

Shari é uma parte sem casca do tronco.

São técnicas utilizadas para dar um aspecto de árvore envelhecida, com a criação de madeira morta, como as árvores que vivem nas montanhas com condições extremas, fustigadas pelos elementos da natureza. Tenta-se criar uma réplica mais próxima de um exemplar natural, maltratado pelo ecossistema ao longo do tempo.

Tentamos imitar, com essas técnicas, o que acontece na natureza. A madeira morta numa árvore é criada pela exposição prolongada à seca, gelo, vento forte, neve … o que não  acontece naturalmente nos nossos bonsais porque os protegemos.

Em princípio usamos a técnica do Jin/Shari em árvores perenes nomeadamente Coníferas (juniperus), é raro encontrar uma árvore de folha caduca apresentando um Jin ou Shari, mas é perfeitamente possível.

ler mais sobre jin/shari > 


Corta arame:

É a ferramenta ideal para remover o arame sem ferir o ramo. Na prática consiste em cortar o arame a cada volta afim de conseguir retirá-lo por completo.

Para retirar o arame sem ferir a casca do bonsai é aconselhável utilizar uma ferramenta adequada.O corta-arame, permite cortar o arame em secções muito pequenas sem marcar o ramo do bonsai. 

 

 

 

Podadora de raízes:

É uma podadora com bicos arredondados que permite executar um corte limpo e de precisão nas raízes do bonsai, facilitando assim a cicatrização

 

 

 

A vassourinha para bonsai:

Vassourinha em fibra de coco, utilizada na limpeza do substrato na superfície do torrão e na limpeza do vaso.

 

 

A pasta cicatrizante para bonsai:

Em tubo ou em boião, existe pasta cicatrizante para folhosas e para coníferas. É sempre aconselhável aplicar a pasta cicatrizante após qualquer corte significativo no bonsai, ajuda

a cicatrização e evita a proliferação de fungos ou doenças.

 

 

Pauzinhos para envasamento do bonsai:

Serve para empurrar o substrato entre as raízes no trabalho de transplante do bonsai, é um  pauzinho afiado, mas com a ponta arredondada para não ferir as raízes do bonsai. Evita as bolsas de ar, razão principal da morte do bonsai por desidratação das raízes e consequente  morte dos ramos.

 

 

 

As redes para transplante de bonsai:

Pedaço de plástico geralmente quadrado que deve ser aplicado no fundo do vaso quando fazemos o transplante do bonsa para que o substrato não sai pelos furosi. As redes mantêm-se seguras e presas no fundo do vaso com arame de alumínio.

 

Pá cónica para o transplante do bonsai:

Recipiente em forma de pá que permite efectuar a dosagem quando fazemos mistura de substrato e que também é muito prático para efectuar o enchimento do vaso à volta das raízes do bonsai.

 

 

 O tensor de tronco:

Peça metálica que permite implicar um movimento forçado num ramo quando não se consegue com o arame. Utiliza-se aumentando pouco a pouco a torção para evitar de quebrar o ramo do bonsai.

 

 

O regador:

Com características próprias, o regador para bonsai é diferente de um regador de jardim.

Tem um ralo com multìplos furos, mais finos que um regador normal e o tubo entre o depósito e o ralo é mais comprido a fim de obter a pressão suficiente para forçar a passagem da água nos minúsculos furos.

Nota: num regador para bonsai, utiliza-se o ralo virado para cima para obter uma rega parecida com a chuva miudinha para não deteriorar o substrato. 

 

 

O arame de alumínio ou de cobre:

 A colocação do arame tem uma importância fundamental na estética  do bonsai.

É a operação que permite orientar e dirigir os ramos, processo determinante na estilização que pretendemos dar ao nosso bonsai, dando a harmonia e mais especificamente o estilo desejado. A aramação do bonsai consiste em enrolar um arame de alumínio anodizado ou de cobre (cozido) em volta do tronco ou de um ramo para modificar a sua direcção, tendo em vista a definição da forma pretendida.

 

O arame tem de ter um apoio para ser eficaz, deve-se começar a colocar o arame no torrão directamente e enrolar em volta do tronco ou dos primeiros ramos (mais baixos).

Para os ramos superiores começar a partir do tronco ou à volta de um ramo mais grosso, respeitando sempre um ângulo de 45º começando sempre pelo ramo mais grosso e seguindo até ao ramo mais fino.

 

Truque: o arame deve vir de cima para baixo para dobrar o ramo para cima e de baixo para cima para dobrar o ramo para baixo.

Por norma utilizamos um arame com 30 % do diâmetro do ramo que queremos moldar, por exemplo um ramo com 10 mm de diâmetro = um arame com 3 mm de diâmetro. Basta 

fazer um teste e ver se o arame segura o ramo ou se é o contrário, neste caso muda-se para um arame mais grosso.

O comprimento do arame corresponde +/- a duas ou três vezes o comprimento do ramo a moldar.

 

Numa primeira fase coloca-se o arame em todos os ramos que queremos direcionar e só depois começamos a moldar e a estilizar o bonsai conforme pretendido.

A aramação do bonsai exige muito cuidado no manuseamento e na forma de moldar o ramo, pois algumas espécies são muito frágeis e podem quebrar com facilidade como é o caso da azálea.

 

É necessário estarmos atentos, sobretudo na época de crescimento, para prevenir ferimentos desnecessários na casca causados pelo arame. 

Em regra geral deixa-se o arame no máximo quatro meses nas folhosas e de oito a doze meses nas coníferas.

Além da aramação do bonsai com arame de alumínio existe também um outro sistema para moldar o bonsai com arame, consiste em esticar um arame a partir do ramo que pretendemos orientar até ao torrão, o objectivo é simular uma forma de tensor para obrigar o ramo a permanecer na direcção desejada.

Mas cuidado, esta operação deve ser feita com minúcia, não se pode executar a tensão de uma só vez, mas sim progressivamente, por exemplo uma vez por semana aplicar mais força na tensão.


 

O torno para bonsai:

Plataforma giratória que permite e facilita a intervenção em todos os lados do bonsai sem necessidade de mexer na planta. Basta rodar o torno para observar e intervir como entendemos no bonsai.

O torno redondo ou rectangular é utilizado para trabalhar com mais facilidade o bonsai. Girando a árvore, permite aramar ou podar o bonsai com mais facilidade,facilita a inspecção em todas as posições da árvore sem esforço. Em matéria plástica ou em resina sintética. 


As escovas para bonsais:

Indispensáveis para uma perfeita limpeza dos troncos, remove a casca velha, o musgo ou líquen.

 

Afiar a ferramenta.

 

Processo indispensável para uma boa conservação da ferramenta. Utilizamos uma pedra de água por ser mais macia e sobretudo plana, caso contrário a afiação será imperfeita e irregular.. A pedra deve ser guardada na água ou pelo menos encharcada algumas horas antes de proceder à afiação da ferramenta.

Existem muitas pedras com graus de fineza variados, o mais utilizado tem uma textura média de mais ou menos 1000.

É desaconselhado a utilização de máquinas rotativas ou de velocidade elevada, aquece o metal e pode provocar a deformação.

É sempre aconselhável afiar a ferramenta para bonsai.

Antes de afiar uma ferramenta convém primeiro limpar, retirar a terra, vestígios de ferrugem e  qualquer sujidade. Nunca limpar a parte cortante com outra ferramenta para não danificar a lâmina.

Termos e Condições
A iberbonsai
Dicas e Conselhos
Catálogo
Siga-nos

Todos os valores incluem IVA à taxa em vigor

Copyright © IBERBONSAI.pt 2020

Desenvolvido por Optimeios

UA-144250790-1